Enxaqueca X Qualidade de Vida

Todos nós já sentimos algum dia dores de cabeça, estas vêm e vão sem que muitas vezes percebemos a sua freqüência, intensidade ou efeitos, porém para milhões de pessoas, uma delas é motivo de sofrimento diário e luta constante para superá-la. A Enxaqueca, é um tipo de dor de cabeça, que apesar de conhecida, ainda ostenta perguntas elementares e é alvo de estudos constantes, trata-se de uma dor de cabeça crônica, conhecida como cefaléia transtorno ou de distúrbio. Ela tira o sono, a tranqüilidade e impossibilita muitas pessoas de viverem sua vida social e familiar ou de fazer qualquer coisa, atingindo pessoas de diferentes idades e sexo, com incidência maior em mulheres na puberdade e diminuição da mesma na menopausa.

Tudo o que queremos é algo mágico que nos liberte deste sofrimento da forma mais rápida possível, logo o uso de alternativas das mais variadas, com tendência a medicamentos fortes mas muitas vezes ainda ineficazes à longo prazo. Um mal que atinge milhões de pessoas no mundo todo, só no Brasil, segundo dados do hospital Israelita Albert Eistein em conjunto com a Sociedade Brasileira de Cefaléia, mostram que 15,2% da população sofre desta dor, cerca de 27,3 milhões de brasileiros, o que devemos observar é que apesar das inúmeras cefaléias existentes, geralmente de origem tensional, esta não é somente mais uma, com dor um pouco mais intensa, assim caracterizada pela maioria das pessoas, e sim um distúrbio que causa dor pulsátil local ou generalizada. A Organização Mundial da Saúde classifica-a entre as 20 doenças mais debilitáveis, equivalente a demência, compromete a qualidade de vida de um número significativo e cada vez maior de pessoas.

Ela aparece de forma leve e gradativamente vai se agravando, provocando pressão craniana, muitas vezes num único ponto como numas das têmporas ou ainda na parte central superior da cabeça, até atingir a dor constante que vai de moderada a intensa, com latejos, “fisgadas” muito profundas levando ao lacrimejo dos olhos, dores no pescoço, náuseas, vômitos e tonturas. Chegando a comprometer parcialmente a visão, em casos mais graves com aura, ou seja, cria-se uma espécie de brisa ao redor dos objetos e afasia com dificuldade em encontrar palavras, situações que pioram com os movimentos, até atingir a coordenação. Pode durar de algumas horas a três dias, denominada crônica ou se for semanas, episódica.

Não tendo hora nem local para acometer os portadores, reage facilmente a estímulos, dado a hipersensibilidade do cérebro, sua origem pode ser variável, de um cheiro mais forte, como cosméticos, produtos de limpeza, dormir pouco, longos intervalos entre as refeições, claridade intensa por longos períodos, bebidas alcoólicas, ciclo menstrual, sons muito agudos, calor para pessoas com pressão arterial, estresse da rotina, ansiedade, nervosismo e da alimentação que inclua alimentos muito gordurosos principalmente frituras e doces em geral. Alguns pesquisadores acreditam que essa sensibilidade é histórica dentre os portadores, colocando em condição a hereditariedade.

Cerebro Enxaqueca

Há formas ainda restritas de tratamento eficaz da enxaqueca, sendo eles sintomáticos e preventivos, ambos utilizam as drogas como coadjuvantes e por isso um médico deve ser consultado. Os sintomáticos, partem dos sintomas para controlar e acabar com a dor, quando o paciente já está sentindo a mesma, ou seja, age diretamente no distúrbio já existente. Já o método preventivo, consiste no tratamento prévio e contínuo para permanecer sem dor, sendo este tratamento mais indicado em casos de enxaqueca frequente, pois através do uso de uma dose diária, faz o cérebro produzir e receber a quantidade certa de uma determinada substância química, diminuindo a frequência e intensidade da dor, uma certa “reeducação” do cérebro.

Há vários tipos de medicamentos, o médico deve optar por um deles seguindo o histórico de cada paciente bem como os possíveis efeitos colaterais. Não há fórmula pronta, podem ser utilizados desde medicamentos antidepressivos, relaxantes musculares, para problemas circulatórios ou de pressão arterial. Nenhum deles causa dependência, pois há 3 décadas descobriu-se que nem sempre a bula condiz com a utilização própria para o qual o medicamento foi desenvolvido, as doses são diferentes em casos de prevenção e o uso pode ser temporário, dependo de cada caso. O uso contínuo de medicamentos não descarta a possibilidade da necessidade de medicamentos sintomáticos em casos de crise, pois o tratamento preventivo é a longo prazo. Nem sempre o tratamento acaba totalmente com a doença, mas as chances são grandes de que desapareça por longos períodos, já em outros casos chega a ser eliminada.

No universo das pesquisas há novas descobertas de tratamento, ainda que na sua maioria seja pela utilização de drogas, é animador pela possibilidade de obter-se medicamentos que possam ser mais eficazes, e com menos efeitos secundários, como é o caso do “MK0974”, assim conhecido até o momento, pois deverá surgir no mercado em 3 anos, apresentando uma redução da dor em até 24 horas comparado a Triptanos utilizados no momento.

Não podemos aqui descartar o uso por muitas pessoas, de analgésicos comuns como paracetamol, porém, quem é portador de enxaqueca sabe que, são raras as vezes que estas “boletas” são eficazes, por mais que seja no estágio inicial da dor, mas também não deixam de ser uma alternativa, é um resultado que depende de cada circunstância e indivíduo.

A questão é, acabar com o sofrimento, com a dor, e para isso é importante procurar ajuda de profissionais o quanto antes, tanto de médicos através do uso de medicamentos, assim como usar terapias alternativas como: Yoga, relaxamento, acupuntura, massagens, compressas de gelo ou chás. Tudo atuando em conjunto pode trazer bons resultados e devolver a qualidade de vida bem como o bem-estar sem dor de cabeça. Nós merecemos este alívio.

No Comments Yet

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>