Saúde

Novas descobertas sobre Infecções Fúngicas

By  | 

Cientistas identificaram duas mutações genéticas que ajudam a explicar a presença de infecções fúngicas recorrentes em certas mulheres. Embora os pesquisadores concentrem boa parte de seus trabalhos em pequenas populações, com condições extremas, os resultados fornecem novas visões de uma das doenças mais comuns e irritantes que afligem as mulheres. De fato, esta descoberta é muito importante e servirá como ponto de partida para trabalhos futuros.

É a primeira prova na área de infecções por fungos, que existem diferenças genéticas sutis que explicam por que algumas pessoas (aparentemente saudáveis) desenvolvem certas doenças, e até mesmo sofrem de episódios recorrentes, enquanto outras nunca apresentam essas infecções. Embora as pessoas que participaram do estudo apresentavam condições extremas , era possível passar para outras mutações do gene ou apresentar fenótipos mais sutis.

Em última análise, os pesquisadores esperam usar as descobertas encontradas neste estudo para desenvolver melhores tratamentos para estas condições, que se tornam significativamente graves em algumas pessoas.

Neste ponto, no entanto, os relatórios realmente não apresentam nenhuma relevância para as pessoas que sofrem com tais condições. Infecções fúngicas, que são normalmente causadas por Candida albicans, são decorrentes de desequilíbrios na flora interna do corpo, especialmente no trato vaginal, embora possa afetar a boca e a circulação sanguínea.

A vagina é um “ecossistema” complexo, com milhares de bactérias ativas, e enquanto elas estão em harmonia, tudo funciona bem. No entanto, se você tomar antibióticos, por exemplo, e eliminar algumas das bactérias normais, pode haver um desequilíbrio significativo, o que pode resultar em diversos problemas. Um corpo saudável é capaz de detectar os primeiros sinais de uma infecção por fungos e expedição das células do sistema imunológico para cuidar do problema, mas não quando uma das mutações está presente.

É como um assalto em sua casa, primeiro, o alarme dispara para avisar que algo está errado. Se o “alarme” não funciona, certamente, os problemas serão maiores. O segundo estudo analisou 36 membros de uma família iraniana, vários dos quais tinham uma predisposição a infecções fúngicas. Três pessoas morreram durante a adolescência, entre eles, dois morreram depois de infecções fúngicas invasivas no cérebro.

Desta vez, a mutação foi encontrada no gene CARD9, também envolvido no sistema imunológico. Fomos co-evoluindo com fungos há milhões de anos, e nós temos esses mecanismos para a detecção de infecções fúngicas, talvez não eliminado-as por completo, mas impedindo-as de se tornarem realmente graves na maioria dos casos.

Kika - Sou blogueira há 10 anos, dedico a vida a produção de conteúdos sobre beleza e cabelos. Amo, amo, o que faço, por isso... com muito amor <3 compartilho dicas no PatricinhaEsperta e CabelosLoiros. Insta: @blogdakika E-mail: kika@patricinhaesperta.com.br Lindona, se gostou, clica na estrelinha acima e vote ;-) Compartilhe com suas amigas. Beijos no coração.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!