Saúde

Câncer Cervical

By  | 

O câncer cervical se desenvolve quando células anormais no colo do útero crescem descontroladamente.  O câncer cervical tem cura, principalmente quando a doença é diagnosticada em sua fase inicial. Felizmente, o câncer cervical geralmente é diagnosticado em sua fase primária,  através do exame de  papanicolau. A doença é causada pelo vírus do papiloma humano (HPV), que é transmitido sexualmente.

Existem muitos tipos do vírus HPV, sendo que, nem todos eles causam câncer cervical. Alguns deles causam verrugas genitais e outros podem não causar sintoma algum. O vírus pode permanecer incubado no organismo de uma pessoa por vários anos sem se manifestar. Exatamente por isso é extramente importante realizar exames de papanicolau regularmente, pois ele pode encontrar alterações nas células do colo do útero antes que elas se transformem em câncer. Tratando dessas alterações celulares o câncer cervical é combatido de forma eficaz.

Os sintomas do câncer do colo do útero podem incluir hemorragia vaginal, mudança no ciclo menstrual, sangramento (quando algo entra em contato com o colo do útero durante a relação sexual), dor durante o sexo e corrimento vaginal. Durante o exame de papanicolau o médico raspa uma pequena amostra de células da superfície do colo do útero para análise, afim de encontrar alterações celulares.

Se o exame apresenta alterações celulares anormais, o médico poderá fazer outros testes para procurar células pré-cancerosas ou câncer de colo do útero. O tratamento aplicado no câncer cervical pode tornar a mulher incapaz de engravidar, porém, quando a doença é diagnosticada no início esse risco diminui significativamente. Como o vírus que causa o câncer cervical é transmitido através do contato sexual, a melhor maneira de evita-lo é fazer uso de preservativo e limitar o número de parceiros sexuais.

Dessa forma, é possível evitar não só o câncer cervical como diversas doenças sexualmente transmissíveis. É comum sentir medo, ficar triste, com raiva e muitas vezes não se conformar com o diagnóstico da doença. Essa fase de “luto” consigo mesmo é muito natural, todavia, deve ser breve, pois a recuperação exige muita persistência e tranquilidade.

Por isso, é importante conversar com um médico de confiança e com outras pessoas que tiveram a doença, eles poderão dar dicas e responder algumas questões muito particulares. Existem vários grupos de apoio que podem oferecer essa ajuda, até mesmo a internet pode ser uma ferramenta importante para compartilhar informações sobre esse assunto.

Kika - Sou blogueira há 10 anos, dedico a vida a produção de conteúdos sobre beleza e cabelos. Amo, amo, o que faço, por isso... com muito amor <3 compartilho dicas no PatricinhaEsperta e CabelosLoiros. Insta: @blogdakika E-mail: [email protected] Lindona, se gostou, clica na estrelinha acima e vote ;-) Compartilhe com suas amigas. Beijos no coração.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!