Saúde

Novo medicamento contra a psoríase

By  | 

Um novo medicamento experimental contra a psoríase, chamado “briakinumab”, apresentou resultados significativamente melhores do que o metotrexato, medicamento ultimamente prescrito em casos da doença. A droga reduziu os sintomas da psoríase em pelo menos 76%, em quase 82% dos pacientes que fizeram uso da mesma, em comparação com apenas 40% daqueles que fizeram uso de metotrexato.

No entanto, os efeitos colaterais mais graves foram mais comuns entre os usuários de briakinumab. Níveis muito elevados de resposta foram observados e mantidos durante todo o período do estudo, afirmaram os pesquisadores. A psoríase afeta milhões de pessoas no mundo inteiro. A doença causa manchas de espessura, pele vermelha, coceira, pele inflamada e escamas prateadas.

A psoríase pode afetar qualquer parte do corpo, incluindo pele, unhas, órgãos genitais e no interior da boca. O presente estudo incluiu cerca de 500 pessoas com psoríase moderada ou grave. Os voluntários do estudo tinham psoríase por pelo menos seis meses, e a condição afetou pelo menos 10% de seus corpos.

Quase metade dos participantes do estudo foram selecionados aleatoriamente para receber injeções de briakinumab (dose de 200 miligramas (mg)). Esse estudo durou cerca de um ano, onde os participante foram divididos em dois grupos, “briakinumab ” e ” metotrexato “.

Depois de seis meses, quase 82% do grupo briakinumab tinham apresentado uma melhoria de 76% na área da psoríase e da gravidade-index (PASI), uma medida comumente utilizada para avaliar a gravidade da psoríase. Um pouco menos de 40% do grupo metotrexato tiveram uma melhoria de 75% em sua pontuação PASI, de acordo com o estudo.

Depois de um ano, cerca de 66% do grupo briakinumab tiveram uma melhoria de 75% em sua pontuação PASI, em comparação com cerca de 24% do grupo metotrexato. Foi possível notar que o briakinumab promove o amortecimento à resposta do sistema imunitário que causa a psoríase. Infecções mais graves foram observadas em pessoas que tomam briakinuma (3%) em relação ao grupo metotrexato (2%).

Houve dois casos de câncer em pessoas que tomaram briakinumab e nenhum no grupo metotrexato. No entanto, os pesquisadores disseram que essas diferenças não foram estatisticamente significativas. No entanto, o risco de câncer é extremamente difícil de definir, e este estudo não foi projetado para detectar qualquer diferença no risco de desenvolver um tumor maligno.

Sobre o aumento de infecções e cânceres, os pesquisadores disseram que embora essas diferenças não foram estatisticamente significativas, elas levam a perguntas sobre um perfil de risco e benefício favorável ao medicamento. Para pessoas que vivem com psoríase, os pesquisadores relataram que a mensagem deste estudo é que muito em breve novas ferramentas contra a psoríase estarão disponíveis no mercado, onde será possível reduzir e até mesmo eliminar completamente a doença.

Kika - Sou blogueira há 10 anos, dedico a vida a produção de conteúdos sobre beleza e cabelos. Amo, amo, o que faço, por isso... com muito amor <3 compartilho dicas no PatricinhaEsperta e CabelosLoiros. Insta: @blogdakika E-mail: kika@patricinhaesperta.com.br Lindona, se gostou, clica na estrelinha acima e vote ;-) Compartilhe com suas amigas. Beijos no coração.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!